COM A CRISE

Construção civil fecha 40 mil postos de trabalho no Ceará

A dispensa de profissionais foi de 44,4% e atingiu todas os níveis de qualificação

Os efeitos da crise política e econômica estão cada vez mais evidentes no Ceará. Antes vitrine do desenvolvimento do País, a construção civil agora fecha portas. Somente no Ceará, já foram fechados 40 mil postos de trabalho. A redução foi de 44,4% nos últimos meses. A informação é do 1º vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), Roberto Sérgio Ferreira.

“Nós perdemos aqui 40 mil postos de trabalho. Eram 90 mil, ou sejam, estamos com quase a metade”, afirmou o empresário, que também é ex-presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Ceará (Sinduscon-CE).

Segundo ele, a dispensa de profissionais atingiu todas os níveis de qualificação. “A situação está crítica, porque nós perdemos muita gente de alto nível, bem treinada, com capacidade produtiva e que nós não pudemos ficar”, lamentou. 

Minha Casa Minha Vida III

Roberto Sérgio Ferreira também criticou a terceira fase do programa Minha Casa Minha Vida, que “foi lançado só no papel”, disse. “Na realidade, ainda não temos nada que possa dizer que se possa dizer que é Minha Casa Minha Vida III. De acordo com ele, a segunda fase ainda está muito lenta por falta de dinheiro.

Sobre a perspectiva de um novo governo, caso se confirme o afastamento da presidente Dilma Rousseff com o processo de impeachment, o empresário acredita que poderá surgir alguma mudança positiva para a situação atual, mas não poupou críticas à atual gestão do governo federal. “Sempre que há uma coisa nova nós temos esperança. O que é correto de se pensar é que nós temos atualmente está inoperante, estagnou, acabou. Não tem mais o que esperar dele”, ressaltou.  (Diário do Nordeste / com informações do jornalista José Maria Melo ).