ENTREVISTA

"Não vou fazer milagres em dois anos", afirma Temer

Em entrevista exclusiva à revista Época, o presidente em exercício não prometeu milagres e disse estar acostumado a situações difíveis

O presidente interino Michel Temer (PMDB) disse que não vai "fazer milagres" em dois anos, tempo que ficará no cargo até as próximas eleições caso a presidente afastada Dilma Rousseff (PT) sofra um impeachment.

Em entrevista à revista Época nesta sexta-feira (13), Temer também afirmou que "ainda não caiu a ficha" de que ele assumiu a Presidência nesta quinta, e que pretende trabalhar para "botar o país nos trilhos", em referência à crise econômica e política que o Brasil atravessa.

Por isso, as prioridades do novo governo serão recuperar a confiança do mercado na economia, tarefa sob responsabilidade do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), e melhorar as relações entre o Planalto e o Congresso, estremecidas durante o governo Dilma.

"Fui presidente da Câmara por três vezes e sei bem o quanto é necessário ter diálogo com os parlamentares e manter o respeito pelas ideias diferentes. Não é fortuito que tantas lideranças partidárias estejam comprometidas com o ministério que foi montado," afirmou à revista.

A maioria dos ministros escolhidos por Temer vem do Congresso. Das 23 pastas, 13 são comandadas por deputados e senadores, o que representa 57% da nova formação da Esplanada.

Outra prioridade do presidente interino é a reformulação do pacto federativo, tema que abordou em seu primeiro discurso oficial no cargo. O peemedebista afirma que há um desequilíbrio entre os tributos que vão para a União e o que é recebido por Estados e municípios.

"A partir da próxima semana, formaremos uma comissão que encontre soluções para recompor o pacto federativo, para que tenhamos uma verdadeira federação", disse.

Ele também disse querer mudar a cultura política do país, resgatando o "valor sagrado" da Constituição. (Diário do Nordeste)