QUALIDADE EM SERVIÇOS

Selo do Sebrae impulsiona o turismo

Certificação pretende ajudar empresas do setor a se aprimorar, fortalecendo as regiões onde estão

Kid Júnior
Trabalho de estruturação do polo gastronômico do bairro Lagoa Seca, em Juazeiro do Norte, é um dos fatores que vem contribuindo fortemente para o crescimento no número de participantes do Selo na região do Cariri

Investir em qualificação pode ser uma saída para as empresas do setor de turismo enfrentarem o período de crise econômica. É o que afirma a gestora estadual de turismo do Sebrae Ceará, Evelyne Tabosa. "Em momentos de retração da atividade econômica como o que estamos enfrentando atualmente não dá para a empresa ficar parada. Este é o momento de as empresas se reinventarem, de buscarem investir na melhoria da qualidade como estratégia para fidelizar os clientes e atrair novos consumidores", fala.

De acordo com ela, o turismo é uma atividade onde a necessidade de aprimoramento por parte das empresas é constante, devido à grande concorrência e ao crescimento cada vez maior do nível de exigência dos consumidores. "Nos tempos atuais, onde os consumidores estão compartilhando a todo momento suas impressões sobre os locais em que visitaram e sobre como foi a prestação do serviço, os empresários precisam estar cada vez mais atentos à qualidade dos serviços e dos produtos oferecidos a seus clientes", argumenta Evelyne.

Neste contexto, segundo a gestora, o papel do Sebrae é ajudar as micro e pequenas empresas do setor a implantarem as melhorias necessárias ao desenvolvimento destes negócios. Uma das ações da instituição para este segmento é o programa Selo de Qualidade em Serviços, que há 20 anos vem ajudando as pousadas, restaurantes, bares e similares, barracas de praia e empresas organizadoras de eventos de todo o Estado a qualificarem os seus produtos e serviços.

Uma das etapas do Selo é o processo de avaliação dos estabelecimentos, quando consultores do Sebrae visitam a empresa e analisam mais de 200 itens, como as instalações físicas do estabelecimento, atendimento às normas de segurança, armazenamento e manipulação de alimentos, destino dos resíduos e boas práticas de atendimento, entre outros. Em seguida, é produzido um relatório com o resultado da análise e as sugestões de melhoria que podem ser implantadas pelo empreendedor. "O trabalho do selo permite que as empresas participantes identifiquem os seus problemas e a partir daí tenham acesso a um conjunto de outros produtos do Sebrae, como a implantação de consultorias tecnológicas, capacitações nas áreas de gestão, acesso a novos mercados, por exemplo", destaca.

O resultado final deste trabalho, conforme Evelyne, é a qualificação dos estabelecimentos e dos profissionais que neles trabalham. "O Selo é um programa muito criterioso e para conquistá-lo as empresas precisam atingir um nível de excelência na prestação dos serviços. Além disso, o fato de ser anual as obriga a estarem constantemente se aprimorando", diz.

Crescimento

De acordo com a gestora, os resultados finais de melhoria obtidos pelas empresas participantes do Selo acabam servindo de referência para os outros estabelecimentos, contribuindo para o crescimento contínuo no número de inscritos no programa. "A cada ano tem sido crescente a quantidade de participantes do Selo. No ano passado, por exemplo, nós tivemos 222 inscritos e este ano já temos aproximadamente 250 participantes e este número deve crescer ainda mais até o fim do período de inscrições", adianta.

Uma das regiões que este ao apresentou o maior crescimento no número de inscritos, segundo Evelyne, foi a do Cariri. Em 2015, foram 14 empresas participantes e este ano já são 25 inscritos, representando crescimento de cerca de 78%. "No Cariri estamos realizando um trabalho de estruturação do polo gastronômico do bairro Lagoa Seca, em Juazeiro do Norte, e isso contribui fortemente para o crescimento no número de participantes do Selo", destaca.

Outra que apresentou avanço significativo foi a região de Tauá. No ano passado, foram seis empresas participantes. Em 2016, o número de estabelecimentos que aderiram ao programa saltou para 21, ou seja, aumento de 250% no número de inscritos. "O crescimento em regiões como Tauá e Cariri é uma prova de que a atuação do Selo não se dá apenas em Fortaleza ou em regiões litorâneas. A intenção do Sebrae é qualificar as micro e pequenas empresas no Estado como um todo e não apenas nas regiões onde o turismo já é uma atividade consolidada", afirma a gestora do Sebrae.

Evelyne destaca que, ao longo destes 20 anos de atuação do programa, cerca de 1.700 empresas de 27 municípios do Ceará já foram contempladas com as ações do programa Selo de Qualidade. "Temos a certeza de que ao ajudar na qualificação destas empresas, o Sebrae também está contribuindo para o fortalecimento de toda atividade turística no Ceará e, consequentemente, para o aumento da geração de emprego e renda", conclui. (Diário do Nordeste)