MAIS COMPETITIVIDADE

Equipamentos de até R$ 80 mi vão chegar ao Pecém

O navio Zhen Hua 26 saiu do Complexo Portuário de Xangai, na China, no último dia 22 de abril

Os dois guindastes adquiridos pela APM Terminals devem passar a integrar o maquinário de operações dos novos berços de atracação do Porto do Pecém, construídos na segunda expansão do terminal portuário, que está orçada em R$ 650 milhões e contempla três berços novos, além dos seis já existentes, uma nova ponte de acesso aos píeres e a engorda do quebra-mar de 1.100 metros. Em abril, foram concluídos os berços sete e oito. Já o nono berço tem previsão de entrega até novembro deste ano. Com os novos guindastes, a competitividade do porto deve ganhar ainda mais força.

Conforme a APM Terminals, o navio Zhen Hua 26 saiu do Complexo Portuário de Xangai, na China, no último dia 22 de abril. A expectativa é que o desembarque ocorra no fim de maio, estreando os novos berços construídos pela Cearáportos. Com a chegada dos dois equipamentos, a empresa espera que a movimentação cresça em 20%.

Ao todo, foram investidos R$ 100 milhões em novos equipamentos. Desse total, entre R$ 70 e R$ 80 milhões foram destinados aos guindastes. O resto do investimento foi para a aquisição de nove empilhadeiras de grande porte e 15 terminal tractors, que já operam no porto desde o ano passado.

Entre os maiores do País

Segundo o diretor superintendente da APM Terminals Brasil, Ricardo Arten, os equipamentos estão entre os maiores do Brasil. O terminal do Pecém terá condições de atender grandes embarcações de vários países que servem as rotas da Ásia, África, Europa e Oriente Médio.

"A ideia da APM é transformar o terminal do Pecém no porto mais importante do Nordeste. Com a abertura do Canal do Panamá para navios maiores e a localização estratégica de Pecém, o terminal se consolidará como um potencial distribuidor de cargas, recebendo as principais linhas de longo curso e distribuir estes contêineres para outros portos do País e da América do Sul através da cabotagem", completa Arten.

Produtividade

Para Arten, a produtividade também é um fator fundamental para estabelecer vantagem competitiva do terminal. "Selecionamos, criteriosamente, 34 funcionários para atuarem como operadores, os quais têm participado de 130 horas de treinamento para trabalharem nos guindastes. O objetivo é que a produtividade média por equipamento alcance 26 MPH (movimentos por hora) em 2016 e supere os 35 MPH já no ano que vem", destaca Arten.

A compra dos guindastes foca na operação de contêineres. Os equipamentos são capazes de alcançar até a 22ª fileira dos navios, mas não impede que operem outros tipos de cargas. No momento, o navio Zhen Hua 26 está transitando próximo a Hong Kong, na China. (Diário do Nordeste)