LULA

Janot acusa Lula de tentar obstruir Lava Jato

Procurador-geral da República afirma que o petista ''impediu e/ou embaraçou investigação que envolve organização criminosa''

Na denúncia contra o ex-presidente Lula entregue ao Supremo Tribunal Federal (STF), no início de maio, o procurador-geral da República Rodrigo Janot afirma que o petista "impediu e/ou embaraçou investigação criminal que envolve organização criminosa, ocupando papel central" na tentativa de impedir a Operação Lava Jato e a delação premiada de Nestor Cerveró, ex-diretor da Petrobras. As informações foram divulgadas pelo Jornal Nacional (JN), da Rede Globo, na edição desta quarta-feira, 18.

As delações do senador cassado Delcídio do Amaral (sem partido-MS) e de seu chefe de gabinete, Diogo Ferreira, foram o ponto de partida da Procuradoria Geral da República (PGR) na busca de provas materiais, como extratos bancários, telefônicos, passagens aéreas e diárias de hotéis.

O instituto Lula declarou, por meio de nota, que o ex-presidente "jamais" tentou interferir na conduta de Cerveró ou em qualquer outro assunto relacionado à Lava Jato.

Segundo a reportagem, a PGR concluiu que Delcídio e seu chefe de gabinete se juntaram a Lula, a José Carlos Bumlai (pecuarista e amigo do ex-presidente) e a Maurício Bumlai - filho do pecuarista. Eles teriam pago R$ 250 mil pelo silêncio de Nestor Cerveró.

Na denuncia obtida pela rede Globo, menciona repasses de dinheiro, encontros, telefonemas e troca de e-mails entre os envolvidos com o objetivo de conseguir o silêncio do ex-diretor da Petrobras. A PGR também utilizou informações obtidas na delação premiada do ex-senador, que declarou sobre a grande preocupação de Lula com a possibilidade de José Carlos Bumlai ser preso por conta de delações na Lava Jato e que, por isso, o pecuarista precisava ser ajudado.

A procuradoria conclui, conforme reportagem do JN, que Lula "impediu e/ou embaraçou investigação criminal que envolve organização criminosa, ocupando papel central, determinando e dirigindo a atividade criminosa praticada por Delcídio do Amaral, André Santos Esteves, Edson de Siqueira Ribeiro, Diogo Ferreira Rodrigues, José Carlos Bumlai" e solicita condenação dos denunciados por obstrução da Justiça.

Respostas

O Instituto Lula declarou que o ex-presidente Lula já esclareceu, em depoimento à PGR, que jamais conversou com o ex-senador Delcídio do Amaral com o intuito de interferir na conduta do condenado Nestor Cerveró ou em qualquer outro assunto relativo à Operação Lava Jato.


A defesa de José Carlos Bumlai negou as acusações e afirmou que ele nunca pagou qualquer valor a Cerveró. A defesa declarou que o ex-senador Delcídio do Amaral está vendendo falsas informações em troca de liberdade. Os advogados de Maurício Bumlai informaram que só comentarão sobre o caso após terem acesso à denúncia completa.


A defesa de Diogo Ferreira confirmou os pagamentos, mas informou que foram feitos a mando do ex-senador Delcídio do Amaral. O advogado de Edson Ribeiro disse que seu cliente nem sequer conhece Lula e Bumlai e voltou a dizer que Ribeiro jamais participou de qualquer ato de obstrução à Justiça.


A defesa de André Esteves declarou que seu cliente não cometeu nenhuma irregularidade. O Jornal Nacional informou que não teve acesso à resposta dos advogados de Delcídio do Amaral. (O Povo)