OLIMPÍADAS

Esperança cearense

Atleta nascido em Groaíras coloca o Brasil na disputa por medalhas no ciclismo de pista das Olimpíadas do Rio

CBC
Para evitar acidente, Gideoni pilota uma bike que não possui freio na categoria Omnium

O sangue, a raça e a determinação do cearense serão componentes importantes para o Brasil, na luta pela medalha no ciclismo de pista dos Jogos Rio 2016. Após hiato de quase duas décadas e meia sem contar com representantes, coube ao biker Gideoni Monteiro, de Groaíras, no interior do Ceará, recolocar o País no grupo de elite deste esporte olímpico, que distribui 54 medalhas nas modalidades standard, pista, mountain bike e BMX.

O também ciclista cearense José Flávio Almeida, que chegou a treinar com Gideoni Monteiro na equipe Iracemápolis, em São Paulo, exalta a intensa preparação e a dedicação do amigo, que se formou nas categorias de base do ciclismo em São Paulo, após deixar o Nordeste, com apenas 15 anos, e lutou muito para conquistar esta vaga na Olimpíada.

"Ele (Gideoni) trabalhou bastante para se aprimorar nesse tipo de prova, a omnium, que é uma modalidade muito complexa do ciclismo, na qual há muita variação de resultado. E o atleta tem que montar uma boa tática e contar com uma condição física forte para conseguir um bom desempenho e vitórias nessa modalidade do ciclismo", explica.

De acordo com José Flávio, a preparação de Gideoni incluiu a ida à Europa, para participar de competições classificatórias para a Olimpíada. "Ele passou uma temporada na Europa treinando com os europeus para atingir um nível mais elevado e competir de igual para igual com outros pretendentes a uma vaga na omnium do ciclismo olímpico. Chegamos a realizar alguns treinamentos longos, em simulações de prova de estrada, em Iracemápolis. Ele já se dedicava ao ciclismo de estrada e ao ciclismo de pista, prova disputada no velódromo. E se identificou muito com o ciclismo de pista, com o passar do tempo, e agora está fixo na seleção brasileira e representará o País nos Jogos Rio 2016", completa Almeida.

Classificação

Gideoni Monteiro, 27 anos, se classificou na 18ª posição, colocando o Brasil em 15º lugar no ranking olímpico, à frente de grandes rivais, como Espanha, México e Canadá. A última participação do País em uma prova de ciclismo de pista nas Olimpíadas foi com o atleta Fernando Louro, na prova por pontos, nos Jogos de Barcelona-1992.(Diário do Nordeste)