PORTO DO PECÉM

Pecém: operação nacional dobrou até agosto

Ascom Cearáportos
Pecém: operação nacional dobrou até agosto

O Porto do Pecém apresentou crescimento de 101% na navegação de cabotagem – realizado entre terminais portuários dentro do território nacional – no resultado acumulado até o mês de agosto, na comparação com o mesmo período do ano passado. O aumento aconteceu, principalmente, por conta dos desembarques de minério de ferro, 2.647.666 toneladas (t), produtos siderúrgicos (184.216 t) e arroz (129.035 t), além de outros itens. No embarque os destaques foram: farinha de trigo (85.569 t), sal (79.218 t), cimentos (39.485 t) e placas de aço (27.613 t).

Os resultados positivos daquele terminal portuário cearense não ficam limitados à navegação de cabotagem, pelo contrário, todos os segmentos de movimentações realizadas apresentaram crescimento em relação ao mesmo período de 2016. No geral passaram pelo porto 10.164.675 toneladas, uma alta de 68% se comparado com o resultado correspondente do ano passado. Já as importações cresceram 49%, passando de 5.185.348 t em 2016 para 7.727.852 t este ano. Enquanto isso, as exportações subiram 183%, de 861.542 t no ano anterior para 2.436.824 t este ano.

Para o presidente da Cearáportos, Danilo Serpa, o crescimento dessa movimentação através do porto é reflexo do trabalho e investimento no terminal, como o aumento dos berços de atracação e dos novos equipamentos que chegaram para aumentar a produtividade. “O trabalho comercial de divulgação do potencial do Porto do Pecém também é fundamental para o alcance desses resultados. Este ano está sendo o melhor para o porto em resultados”, diz.

Na navegação de longo curso – realizada com portos de outros países –, os principais destaques na importação foram o carvão mineral (3.293.211 t), gás natural (544.737 t), produtos siderúrgicos (170.841 t), pedras calcárias (55.032 t), coque de petróleo (50.132 t), entre outros. Já nas exportações, os principais volumes ficaram por conta das movimentações de placas de aço produzidas pela Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP) (1.621.508 t), gás natural (121.511 t), plásticos e suas obras (50.527 t), frutas (49.044 t), água de coco (32.163 t), granito (13.500 t), calçados (8.876 t).

Em relação à natureza de tudo aquilo que foi movimentado pelo terminal, o granel sólido foi a carga mais relevante na composição dos índices em toneladas, participando com 6.057.269 t (60%), seguido da carga geral solta 1.960.559 t (19%), carga conteinerizada com 1.442.607 t (14%) e do granel líquido com 704.240 t (7%). A movimentação de contêineres foi de 71.854 unidades (114.839 TEU’s), representando um crescimento de 19%. E este resultado deverá melhorar ainda mais nos próximos meses, uma vez que fechará o semestre completo com a utilização dos dois portêineres (guindastes especiais que realizam o embarque e desembarque de contêineres até três vezes mais rápido que os convencionais). (O Estado)