SAÚDE

Rede de coleta de leite humano é ampliada na Capital

Uma sala de apoio à mulher que amamenta foi inaugurada em posto no Itaperi. Unidade deve atender a demanda do Hospital Infantil Albert Sabin

Tatiana Fortes/ O POVO
Ana Kelly, 29,gerente de fast food e Júlia,2 meses. Prefeitura de Fortaleza entrega 9º posto de coleta de leite humano, no posto de Saúde Dom Aloísio Lorscheider

Foi inaugurada na manhã de ontem, 19, a 9ª Sala de Apoio à Mulher que Amamenta, no Posto de Saúde Dom Aloísio Lorscheider, no Itaperi. A iniciativa é uma parceria entre a rede municipal de saúde e o Hospital Infantil Albert Sabin (HIAS), que irá receber o leite captado para atender a demanda de bebês prematuros em internação. Atualmente, são 15 pequenos pacientes que dependem das doações.

Outras oito salas de apoio estão espalhadas pelas regionais da Capital: nos postos de saúde Rigoberto Romero (Regional II), Roberto Bruno (Regional IV), Ronaldo Albuquerque (Regional V), Luis Franklin (Regional VI), Hospital e Maternidade Zilda Arns, Hospital Nossa Senhora da Conceição (Conjunto Ceará) e nos Gonzaguinhas da Barra do Ceará e de Messejana. O leite captado também é distribuído para o Hospital Dr. César Cals e para Maternidade Escola Assis Chateaubriand (Meac).

Durante a inauguração, a secretária-executiva da Saúde do Município Ana Estela Fernandes afirmou que o espaço deve estimular as doações. "O leite humano é fundamental para a sobrevida desses bebês prematuros. E, com a proximidade do feriado, as doações diminuem", informa a médica pediatra.

Com a proximidade do feriado de hoje, de Corpus Christi, os bancos de leite de Fortaleza estão com capacidade limitada.

Janaína Landim, enfermeira-chefe do banco de leite da Maternidade Escola Assis Chateaubriand (Meac), explica que o hospital de referência conta com cinco unidades neonatal e precisa, por dia, de 10 litros de leite humano. "É fundamental o leite humano para que as crianças de baixo peso se recuperem mais rápido e consigam sair", afirma.

Ana Kelly Pereira, 29, foi a primeira mãe a realizar a doação de leite na sala de apoio do Itaperi. Com a filha Júlia, de dois meses, no colo, a gerente de uma rede de fast food teve a menina prematura e não conseguia acertar a "pega" na hora da amamentação. Foram as orientações dos profissionais de saúde que ajudaram mãe e filha. "Eu saí da maternidade com o bico de silicone porque ela não pegava o peito. Depois que cheguei no posto, fui orientada e ela ganhou dois quilos em dois meses. Foi um alívio porque agora não só ela mama, como eu estou fazendo doações", conta.

Um litro de leite materno doado pode alimentar até 10 recém-nascidos por dia. Os bebês que estão internados ou não podem ser amamentados pelas próprias mães têm a chance de receber os benefícios do leite materno por meio da doação. (O Povo - é parceiro de oxereta.com)



Postos de coleta vinculado à unidades municipais de saúde


- Hospital e Maternidade dra Zilda Arns Neumann - avenida Lineu Machado, 145 - Demócrito Rocha

- Gonzaguinha de Messejana - avenida Perimetral, 7770 - Messejana

- Posto de Saúde Rigoberto Romero - rua Alameda das Graviolas, 195 - Cidade 2000

- Posto de Saúde Luís Franklin - rua Alexandre Vieira, s/n - Messejana

- Posto de Saúde Roberto Bruno - avenida Borges de Melo, 910 - Bairro de Fátima

- Hospital Distrital Nossa Senhora da Conceição - rua 1018, 148 - 4a etapa - Conjunto Ceará

- Posto de Saúde Ronaldo Albuquerque - avenida I, s/n - Genibaú

- Posto de Saúde Dom Aloísio Lorscheider - rua Betel, 1895 - Dedê