CHAPADA DO ARARIPE

Polícia Federal entrega 237 fósseis traficados da Chapada do Araripe ao museu de Santana do Cariri

O material foi apreendido durante uma operação chamada "Santana Raptor" e encaminhado ao Museu de Paleontologia Plácido Cidade Nuvens, onde deverá ser exibido

Guilherme Carvalho
Peças seriam vendidas no exterior

A Polícia Federal realizou, nesta quarta-feira, 18, a entrega de 237 fósseis oriundos da Chapada do Araripe, no sul do Ceará, ao Museu de Paleontologia, em Santana do Cariri, onde devem ficar em exibição. O material contendo peças valiosas de répteis, insetos e espécies vegetais, foi apreendido durante a "Operação Santana Raptor", que investiga o tráfico de fósseis na região.

Em coletiva realizada nesta manhã, o órgão de segurança informou que os fósseis são oriundos das cidades de Santana do Cariri e Nova Olinda. Pelo menos seis pessoas devem ser indiciadas pelo tráfico das peças, entre elas empresários, atravessadores, trabalhadores de pedreiras e servidores público. As peças seriam vendidas no exterior, mas não chegaram a sair do Ceará.

O material contém fósseis valiosos, formados há mais de 110 anos e que poderiam custar até 150 mil dólares no exterior. "As peças mais valiosas miram como destino o exterior realmente, onde conseguem um preço maior. Os atravessadores identificam essas peças mais valiosas, eles têm esse conhecimento para identificar essas peças e destinam na verdade a quem pagar mais. Normalmente, quem paga mais são os contrabandistas internacionais que miram o mercado internacional, onde se vende em euro e em dólar", disse Cláudio Luz, agente da PF, em entrevista ao repórter Guilherme Carvalho, da Rádio CBN Cariri.

O material foi levado ao Museu do Plácido Cidade Nuvens, em Santana do Cariri. De acordo com o diretor do equipamento, Allysson Pinheiro, os fósseis são de peixes, libélulas, escorpiões e até mesmo de pterossauros, répteis voadores do período Mesozoico e de cujos fósseis são valiosos e raros.

"É a recuperação de um material de qualidade excepcional. Têm fósseis sendo devolvidos que pessoas que trabalham na área há mais de uma década nunca tinham visto, coisa especialmente rara, de grande valor cientifico e de grande valor cultural para a região. Então é um dia de celebração, de que esse patrimônio permaneça no Cariri, permaneça no Araripe para a sociedade", comentou o gestor.

Operação, indiciamentos e acervo

A Operação Santa Rapta ocorre desde 2017 e tem como foco recuperar peças oriundas do tráfico de fósseis que ocorre na Chapada do Araripe. Cerca de 237 peças, oriundas das cidades de Santana do Cariri e Nova Olinda, foram recuperadas durante todo o curso da investigação.

O Museu de Paleontologia é um dos principais centros de visitação do Cariri. Em seu interior, o equipamento concentra fósseis coletados na região carirense. Além disso, também mantém projetos de escavações permanentes na Bacia do Araripe.

Sobre o material entregue pela PF, o diretor do museu informou que ele será organizado, catalogado e depois tombado. Algumas das peças serão escolhidas para ficarem em uma exposição especifica que vai tratar do tema comércio ilegal de fósseis. "Todas elas vão ser estudadas. Possivelmente nós vamos ter boas novidades do ponto de vista científico para o Brasil e para o mundo a partir desse material", destacou.  (O Povo - é parceiro  de oxereta.com)